quarta-feira, 18 de março de 2009

Questiono-me

Não falo da crise. Os órgãos de comunicação social bombardeiam-nos com ela a toda a hora. Mas há um assunto que suscita a minha interrogação. O desemprego. Duvido que haja os desempregados que se propalam. Há, sim, milhares a receber o subsídio de desemprego. O que não é a mesma coisa.
Há dias, uns amigos meus quiseram contratar uma empregada doméstica. Ouviram as candidatas e escolheram uma. Quando lhe puseram as condições – ordenado, descontos para a Caixa, horário, … - a dita senhora disse que não queria Caixa porque estava a receber o subsídio desemprego. Eliminaram esta e contrataram outra.
Em quantas casas haverá empregadas que acumulam o seu ordenado com o subsídio de desemprego?

E situações destas são aos milhares.
Há uns meses chamei um canalizador. Depois do serviço realizado apresentou-me a conta. Pedi-lhe a factura. Olhou para mim como se eu fosse um ser raro e disse logo que, então, tinha que acrescentar o IVA. Claro, disse eu. Alegou que não tinha facturas mas que a mesma viria por correio. Como se passaram 15 dias e a factura sem chegar, telefonei a informar que, se não recebesse a factura dentro de uma semana, fazia uma participação. Como não veio, escrevi ao Director Geral de Contribuições e Impostos. Passado dias tinha a factura em causa e um telefonema a saber se o problema tinha sido resolvido.

Quantos portugueses exigem factura de cada vez que fazem um pagamento?

Se todos pedíssemos factura, haveria menos gente a receber subsídios. E esses subsídios são pagos por todos os que declaram os rendimentos do seu trabalho e pagam os seus impostos. Andam os honestos a ajudar os desonestos. Será ou não assim?

8 comentários:

Gaivota Maria disse...

Há dias ouvi na TV uma pergunta muito bem feita: que fazem os nossos portugueses, que estão a receber pelo desemprego e pela reinserção social, pelos outros cidadãos portugueses, que são quem no fundo lhes paga? Não seria de os porem a fazer serviços cívicos como por exemplo conviver com idosos, fazer acompanhamentos a fisioterapias, ajudar a vigiar escolas, etc, etc, etc? Esta pergunta é a minha resposta á pergunta anterior.

Graça Pimentel disse...

Pois é Gaivota, é o país que temos...

Beijo

heretico disse...

... talvez os baixos salários contribuam também para o "desenrasca".

mas reconheço razão no que dizes

beijo

Graça Pimentel disse...

heretico
Talvez... mas pedir recibo é uma obrigação de todos e, independentemente dos ordenados, os portugueses não o exigem. É uma questão cultural. Somos um povo que só cumpre se vir "o polícia".

um beijo e bom fim de semana

WOLKENGEDANKEN disse...

E quem protege aos idosos e as pessoas que precisam de fisioterapia duma situacao de tratamento incompetente flagrante ??

Graça Pimentel disse...

wolkengedanken
Não percebi muito bem a pergunta mas parece-me que esse é outro departamento. O visado deverá participar do tratamento negligente de que foi alvo. Como acabará essa participação? Possivelmente em nada.

beijinho

WOLKENGEDANKEN disse...

Queria dizer que é uma ideia absurda obrigar pessoas pelo motivo que seja a servicos sociais. Imagina um/a jovem mais o menos asocial e completamente incompetente e sem interesse nenhum na materia tratar de idosos. Coitados !!

Graça Pimentel disse...

wolkendedanken
A "oferecer" qualificações como está a acontecer, vamos para pior.