quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Uma bolacha aos professores

Logo no início da legislatura, José Sócrates disse que a classe docente era uma classe privilegiada e que tinha que perder esses privilégios. Será privilégio passar o dia a lidar com a má educação dos filhos dos outros? Será privilégio andar há décadas a saltar de reforma em reforma sabendo que nenhuma delas será, sequer, avaliada? Será privilégio ter uma ou duas faltas quando o atraso ultrapassa 5 minutos? Será privilégio ter que arranjar um atestado médico falso no caso, por exemplo, de encontrar um acidente rodoviário quando, atempadamente se sai para fazer uma vigilância? Será privilégio comprar um impresso cada vez que se retoma o serviço após as férias ou uma gripe? Será que é privilégio chegar ao topo de carreira com um ordenado inferior a um médico nas mesmas condições ou, muitíssimo menor que um profissional equivalente numa empresa? Será privilégio ser obrigado a passar todos os alunos dos CEFs e dos CPs? Será privilégio ter muros quase intransponíveis para reprovar um aluno do 1º, 2º ou 3º ciclo e, ainda, pedir ao Encarregado de Educação licença? Será que é privilégio ter reuniões que duram até às 22 horas, sem qualquer compensação?

Pena que José Sócrates não fale dos privilégios dos políticos, particularmente os dele.

Mas as pessoas escolhidas por José Sócrates também insultaram.

“admito que perdi os professores, mas ganhei a opinião pública” – Maria de Lourdes Rodrigues, Junho 2006.
“vocês (deputados) estão a dar ouvidos a esses professorzecos” – Valter Lemos, Janeiro 2008
“caso haja grande número de professores a abandonar o ensino, sempre se poderiam recrutar novos no Brasil” –
Jorge Pedreira, Novembro 2008
“quando se dá uma bolacha a um rato, ele a seguir quer o copo de leite” - Jorge Pedreira, Novembro 2008

Agora, que estão eleições à porta, Sócrates vem dizer que talvez tenha havido falta de delicadeza no tratamento com os professores e que é infantil pensar que o Governo trabalhou contra os professores.
Eu não esperava delicadeza de pessoas sem berço cuja vida se passou nos corredores imundos da política. Mas seriedade e justiça, essas tenho o direito de exigir enquanto cidadã que cumpre todos os seus deveres cívicos.
Infantil
é pensar que, depois da maneira como o Senhor Primeiro-ministro e a sua equipa tratou os professores nesta legislatura, algo vai mudar. A sua arrogância e falta de delicadeza tendem a piorar com a idade.

Depois de todos os nomes que nos chamaram e da maneira como nos trataram (o que me obrigou a fugir antecipadamente da profissão que escolhei, que adorei e que exerci 36 anos) só faltava o senhor chamar-nos atrasados mentais. Se quer sacudir as responsabilidades da sua acção governativa na educação para a Ministra e os Secretários de Estado da Educação, que o senhor escolheu e sempre defendeu com unhas e dentes, faço-o cara a cara com eles e não meta os professores nessas guerra. O que está a fazer é baixo. Muito baixo mesmo.

4 comentários:

Gaivota Maria disse...

o gajo tem uma lata do "caraças" . Só falta por a Lurdes a ir a Fátima pedir perdão público aos professores. Não percas o debate de hoje com ele e o Portas

Graça Pimentel disse...

Gaivota Maria
Fico fula quando estes palermas me tratam como atrasada mental. O que se passa na cabeça destes anormais? Será que pensam que nós acreditamos nestas demagogias idiotas?

Beijo

heretico disse...

estamos "entradotes" e... calejados! lol

boa ocasião para nos vigarmos.

beijos

Graça Pimentel disse...

heretico
...e não perco essa ocasião por nada deste mundo. Lá estarei para me vingar só que as hipóteses de são incontáveis e ainda não sei qual utilize.

beijo